SP: (11) 3192-7701 | RJ: (21) 3190-1990 | DF: (61) 3546-5087

EDS participa do programa Connect Time da BASF onde falou sobre IoT

A BASF, empresa alemã global e líder mundial na área química, mantém um programa de podcasts chamado Connect Time para manter seu ecossistema de parceiros e clientes atualizados com as novidades do mercado e da própria empresa BASF.

Na edição de fevereiro, a EDS foi convidada para falar sobre a Internet das Coisas na transformação dos negócios e operações. A EDS foi responsável pelo desenvolvimento e implementação de uma solução de inteligência artificial na CASAE (casa ecoeficiente que atua como um catálogo vivo da BASF), onde os visitantes interagem com a casa por meio de uma assistente virtual que responde de forma natural e completa as perguntas sobre produtos e outras informações disponíveis na CASAE.

Quer saber mais sobre o projeto da CASAE? Veja aqui nosso evento na CasaE.

 

Para ouvir o podcast, clique na imagem abaixo:

Ou leia na íntegra a entrevista:

A internet das coisas já está transformando negócios e operações

Entrevista com Maurício Conceição, diretor da EDS

Olá, tudo bem? Este ConnectTime é dedicado aos líderes antenados. Muito se fala sobre Internet das Coisas e hoje você vai conhecer uma perspectiva única desta tecnologia. Quer saber qual o real impacto que ela pode causar no seu negócio? Quem tem as respostas é o Maurício Conceição, diretor da EDS. Muito obrigado pela participação e seja bem-vindo.

Obrigado pelo convite. É um prazer estar aqui para falar um pouquinho sobre Internet das Coisas e seus impactos nos diferentes segmentos de negócio.

Produtos e serviços conectados, trocando informações a todo momento, e modelos de negócios inteiramente digitais. A Internet das Coisas está mudando os mercados. E, segundo a consultoria Gartner, ela já contribui ativamente para melhores resultados. Maurício, como as empresas vão ser transformadas por essa nova realidade?

Primeiro acredito que o principal ponto a ressaltar é que as empresas não compram IoT. IoT não é um fim em si mesmo. As empresas compram soluções que trarão resultados significativos para seus negócios. O ponto relevante é como a implementação de soluções IoT podem entregar resultados extraordinários para as diferentes empresas. Empresas do segmento de manufatura, varejo, transporte, logística, utilities, espaços inteligentes construídos em qualquer segmento são capazes de se beneficiar deste conceito. Essas empresas são impactadas na medida em que, através da coleta de uma quantidade enorme de dados, elas são capazes de compreender melhor o seu processo produtivo e tomar as melhores medidas para redução de seus custos internos, além de entender com maior profundidade seus consumidores, sendo capazes de definir ofertas que alavanquem suas vendas.

A capacidade de unir os mundos físico e digital é uma das principais vantagens. Prova disso é o sucesso da automação industrial. A tecnologia operacional está sendo integrada com a tecnologia da informação para melhorar o entendimento do negócio. Quais os próximos passos deste movimento?

Usando como exemplo o próprio ambiente de automação industrial, o próximo passo é sermos capazes de coletar todos os dados disponíveis e transformá-los em informação para tomada de decisão, através do processamento em um ambiente se utilizando de inteligência artificial e machine learning, para que haja melhoria contínua dos processos industriais empregados. O próximo passo desse movimento passa necessariamente pela utilização de inteligência artificial em projetos de IoT, com o objetivo de maximizar resultados dos projetos implementados.

O mercado agro também se beneficia da tecnologia no campo. Há alguns anos, já está em curso um projeto interessante de rastreamento de gado com sensores digitais. Recentemente, o site da revista Exame apresentou um outro case inovador: o uso de imagens térmicas para diagnósticos precisos nas chamadas Lavouras Inteligentes. Como esse setor vai ser impactado pela tecnologia interconectada?

O agronegócio tem um grande potencial para se beneficiar de soluções empregando o conceito de IoT. Desde o rastreamento de animais se utilizando de tags com RFID, onde você é capaz de identificar todo o histórico de vida desses animais até a utilização de drones para o controle de pestes da lavoura, do terreno e da qualidade do plantio. Outro ponto importante é a capacidade de coletarmos os dados gerados pelas diferentes marcas dos equipamentos agrícolas e utilizarmos esses dados para geração de informação relevante para o processo de plantio e colheita. Acredito que o ponto de inflexão para o segmento agro com o intuito de se beneficiar ao máximo desse conceito seja a capacidade de transmissão de uma quantidade enorme de dados para o processamento em um ambiente remoto. Hoje nós temos grande dificuldade para transmitir dados entre a fazenda e a cidade. A infraestrutura para essa transmissão de dados das fazendas é onde ainda encontramos muitos problemas, os quais precisamos superar para que o setor de fato se beneficie das soluções de IoT.

Que outros usos relevantes da Internet das Coisas no mundo empresarial você poderia compartilhar?

Temos vários usos relevantes. Por exemplo, no varejo, o gerenciamento em real time do estoque e o controle remoto de produtos refrigerados, além da capacidade de recomendar ofertas instantâneas com maior probabilidade de compra pelos consumidores, através do conhecimento principalmente do trânsito desses consumidores nas lojas. No caso de manufatura, a capacidade de monitorar e diagnosticar equipamentos industriais a distância. Para empresas geradoras e transmissoras de energia, a possibilidade de identificar de forma preventiva a necessidade de manutenção na sua infraestrutura de transmissão. Em hotéis, por exemplo, a possibilidade de gerenciar de forma efetiva o gasto de energia elétrica nos diferentes quartos. Em estacionamentos de shoppings e de lojas, auxiliando os usuários a encontrar espaços livres para estacionar seus carros no momento em que eles entram no shopping ou na loja. Enfim, são várias as possibilidades de uso relevante de projetos de IoT.

Esta rede de objetos conectados vai gerar uma enorme quantidade de dados. Qual a receita para as empresas explorarem bem essas oportunidades de negócios?

Eu acredito que a receita é possuir uma infraestrutura própria ou em nuvem para processamento desses dados, além de se utilizar de conceitos de big data, machine learning e inteligência artificial, justamente para transformar esses dados coletados em informação, sendo assim capazes de tomar decisões significativas para seus negócios. Acho que isso é o mais relevante.

No mercado B2B, o jogo é diferente e os dados podem ser ainda mais valiosos. Como gerar valor e obter vantagem competitiva neste ecossistema acirrado?

De fato, o ecossistema é bastante acirrado, mas eu acredito que a resposta seja muito parecida. Pra gerar valor, é importante ter a capacidade de transformar esses dados coletados em informação e ter instrumentos para uma tomada de decisão rápida e eficiente. Esse ponto é fundamental para criação de oportunidades, redução de custos e geração de ganhos extraordinários.

A Internet das Coisas pode ser considerada madura no Brasil? Quais os maiores desafios que o país enfrenta para a popularização dessa tecnologia?

Sinceramente, eu acho que a resposta é não. A Internet das Coisas ainda não está madura no Brasil. Em estudo recente feito pela PWC, somente 9% das empresas brasileiras entrevistadas se classificaram como avançadas na transformação digital de seus processos. Ainda temos muitas oportunidades em diferentes segmentos para implementação de soluções que se utilizem do conceito de indústria 4.0. Como principais pontos de desafio, a gente pode citar questões relacionadas a infraestrutura de transmissão de dados, como já comentamos anteriormente, principalmente para o agronegócio, questões relacionadas a segurança da informação, privacidade e armazenamento e processamento de dados. Eu acredito que esses são os principais desafios para que haja mais projetos para implementação de conceitos de IoT no Brasil.

Definir corretamente a estratégia de implementação é fundamental. Que dica você dá para o gestor não errar neste momento?

Acredito que a melhor estratégia para o gestor seja contratar uma empresa para auxiliá-lo, que possua experiência em consultoria e implementação de projetos de IoT, tanto para definição dos projetos quanto para prioridades desses projetos, buscando no menor prazo possível apresentar resultados voltados para redução de custos e aumento do faturamento de sua empresa.

Ótimas recomendações para tirar o máximo proveito da tecnologia. Uma última questão para encerrar a nossa conversa de hoje: o que esperar deste mercado para este ano?

Podemos esperar, tanto para este ano quanto para os próximos, um enorme crescimento de utilizações de soluções IoT. Principalmente por conta do crescimento exponencial de equipamentos conectados. Quanto maior a quantidade de dispositivos conectados, maior o potencial de coleta de dados, transformação e informação e, a partir daí, tomada de decisões relevantes para sua empresa.

Maurício Conceição, diretor da EDS, muito obrigado pela participação no ConnectTime.

Eu que agradeço, obrigado pelo convite, foi um prazer falar com vocês a respeito de IoT e inteligência artificial.

Sua visão é importante e certamente contribui para a tomada de decisões. A Internet das Coisas vai reinventar muitos mercados. É preciso aproveitar todas as suas vantagens.

Fonte: Connect Time – BASF